terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

O uso litúrgico da Batina e da Sobrepeliz

Por Samuel Érico e Igor Ramon 

Um assunto muito pertinente hoje, é o uso de Batina e Sobrepeliz por acólitos não instituídos, também chamados de servos. A Legislação da Igreja não se detém muito sobre o assunto, uma vez que geralmente o que rege esse assunto são os costumes. Para iniciar veremos alguns dos argumentos que são contra e em função disso, argumentos que contradizem os primeiros. Mais na frente veremos fatos e fotos sobre o assunto.

Há quem diga: "Tais vestes devem ser usadas somente pelo Clero". Para derrubar a afirmativa, sem entrar na polêmica do uso por acólitos não instituídos, gostaríamos de lembrar que os Instituídos na forma Ordinária do Rito Romano não fazem parte do Clero, e esses podem usar Batina e Sobrepeliz com colarinho Romano. Lembramos também, que os Acólitos instituídos na forma EXTRAORDINÁRIA (em maiúsculo, para enfatizar que não é proibido o rito Pio V, o rito é permitido porem não ordinário) são admitidos ao clero. Lembramos também dos seminaristas que em muitos lugares, inclusive no Vaticano, ainda hoje usam o hábito talar independente de terem recebido algum ministério.

Entrando então na polêmica do uso de tais vestes por fieis, não seminaristas, não instituídos acólitos, etc... Os que atacam o uso do hábito por tais leigos estão certos quando afirmam que esses não poderão usá-las como hábito no dia a dia. Porém quando afirmam que não é possível que os servos as utilizem para servir na Missa ou Adoração Eucarística, estão indo contra um costume de séculos. Não se sabe ao certo quando se iniciou esse costume, porém se tem noticias das vestes na Europa desde antes do século XII. Tal tradição tornou-se, durante a Idade Média e até por volta de 1960, praticamente única, não se vendo registro de túnicas ou alvas por acólitos nas Missas. Durante todo o período citado o uso de túnica e alva era exclusivo a Sacerdotes e Diáconos.
Depois do Concilio Vaticano II com o Missal de Paulo VI orienta-se o seguinte:

119. Na sacristia preparam-se as vestes sagradas (cf. nn. 337-341) do sacerdote, do diácono, e dos outros ministros, 
Segundo as diferentes formas de celebração:
a) para o sacerdote: alva, estola e casula ou planeta;
b) para o diácono: alva, estola e dalmática; esta, por necessidade ou por motivo de menor solenidade, pode omitir-se;
c) para os outros ministros: alva ou outras vestes legitimamente aprovadas [95].
Todos os que vão revestidos de alva usam também o cíngulo e o amito, salvo se não forem exigidos em virtude da forma da própria alva. (Instrução Geral do Missal Romano)

É importante destacar que Alva não é a túnica com ao qual estamos acostumados, ela deve ser utilizada sobre a batina tendo em vistas as rendas que deixam ser visto o que está por baixo. As túnicas que forem legitimamente aprovadas, podem também ser usadas sem o hábito talar. A Sobrepeliz sobre a Batina, apesar de não ser citada, nem precisa de legítima aprovação, afinal é de uso Universal pela Santa Igreja, e afinal o tempo tratou de aprová-la.

O Cerimonial dos Bispos diz:

36 - O mestre-de-cerimônias apresenta-se revestido de alva ou veste talar e sobrepeliz. No caso de estar investido na ordem de diácono, pode, dentro da celebração, vestir a Dalmácia e as restantes vestes próprias da sua ordem.
Vemos que não há especificações sobre obrigatoriedade de ser Acólito Instituído, nem muito menos pertencer ao Clero. 

65 - A veste sagrada comum a todos os ministros de qualquer grau é a alva, apertada à cintura pelo cíngulo, a não ser que, pela sua forma, se ajuste ao corpo mesmo sem o cíngulo
"Ministros de qualquer grau" está tratando claramente de membros do Clero seja ele, do Grau dos Epíscopos, Sacerdotes ou Diáconos.

Os acólitos, leitores e restantes ministros, em lugar das vestes acima referidas, podem usar outras legitimamente aprovadas.
Não precisamos discutir a legitimidade da Sobrepeliz, e caso seja questionado o uso da Batina sob a referida veste, em um parágrafo anterior o Documento diz:

A sobrepeliz deve usar-se sempre por cima do hábito talar.
Se for um Franciscano ele usará o seu hábito, um Agostiniano também e assim sucessivamente. Se for um leigo é óbvio que se usará o Hábito universal da Igreja, a Batina.
Ainda no Cerimonial dos Bispos deve-se preparar:

- para o Bispo: bacia, jarra com água e toalha; amito, alva, cíngulo, cruz peitoral, estola, dalmática, 
Casula (pálio, no caso de Metropolita), solidéu, mitra, anel, báculo; 
- para os concelebrantes: amitos, alvas, cíngulos, estolas, casulas; 
- para os diáconos: amitos, alvas, cíngulos, estolas, dalmáticas; 
- para os restantes ministros: amitos, alvas, cíngulos, ou sobrepeliz a serem usados sobre o 
Hábito talar; ou outras vestes devidamente aprovadas. Os paramentos sagrados hão de ser da cor da 
Missa que se celebra ou de cor festiva. 

"Restante dos ministros", os ordenados já foram citados, um a um, Bispo, Concelebrantes e diáconos. Dentre esse restante geralmente se encontram acólitos Instituídos, mas com certeza no meio dos restantes sempre hão de existir servos que não receberam ministério algum, e o Documento não especifica alguma obrigatoriedade acerca de Ministério. Portanto os servos podem usar inclusive a Sobrepeliz sobre o hábito talar. Poderíamos citar aqui outros parágrafos, o que não será feito para não alongar ainda mais o texto, nem torná-lo repetitivo.

Além dos documentos e argumentos veremos também fotos com respectivos comentários.
 
O garoto acima é o José Carlos Ferrari Neto, Brasileiro, que foi noticia em 2008 por entrar no coral do Vaticano. Ferrari Neto não é um metido que decidiu usar Batina, essas vestes são padronizadas para o Coral. Temos toda certeza que ele não faz parte do Clero nem recebeu algum ministério, porem usa Batina. Pode-se observar também o colarinho branco e, em pleno Vaticano.


 



Nas fotos acima vimos Colegas do Ferrari Neto em atuação no Coral. Todas as crianças usam o hábito talar inclusive com Colarinho, mesmo sem serem seminaristas ou o que já citamos anteriormente. Em uma das fotos o Santo Padre passa por eles saudando e sorrindo e como já é esperado o Papa não vê nada estranho.

Para não alongar ainda mais não colocaremos todas as fotos que temos em arquivo. As imagens utilizadas foram conseguidas através de um site de busca sem menor esforço.
Diante do exposto concluímos que o uso da Batina por servos de Liturgia é legal e louvável. As demais vestes são também legais e podem ser utilizadas, mas não se deixe o uso de um costume tão comum pelos séculos da Igreja. Vele ressaltar que o uso da batina e da sobrepeliz deve estar sempre em conformidade com as diretrizes dos párocos e o Ordinário Local (Bispo), tendo em vista que a última palavra sobre quais vestes devem ser usadas, é deles.

Para citar este artigo:  
SOUSA, Antônio Samuel Érico de. SILVA, Igor Ramon. O uso litúrgico da Batina e da Sobrepeliz. In: <http://perecclesiaeunitate.blogspot.com/> 01.01.2011 

Samuel Érico tem 20 anos, é noivo, acadêmico do Curso de Graduação em Administração pela Universidade Potiguar, (UnP) a 6 anos teve uma experiência com Deus através da Renovação Carismática Católica, atualmente é membro da Comunidade Mariana Totus Tuus que tem como missão propagar no mundo verdadeira devoção a Santíssima Virgem, exerce seu apostolado católico dando formações sobre temas diversos da Santa Igreja, junto com alguns amigos se dedica ao estudo informal da Doutrina da Igreja, em especial no que diz respeito a Sagrada Liturgia e é co-editor deste blog.
Igor Ramon tem 19 anos, é acadêmico do Curso de Graduação em Direito pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) desde 2005 faz parte Renovação Carismática Católica da Diocese de Mossoró, onde exerce Ministério de Pregação e Formação, faz parte do núcleo diocesano do Ministério Universidades Renovadas (MUR), junto com alguns amigos se dedica ao estudo, informal, da Doutrina da Igreja, em especial no que diz respeito a Sagrada Liturgia, também se dedica a edição e publicação de artigos em blogs.

Um comentário:

  1. Parabéns pela belíssima postagem. Justamente durante essa semana fiquei com dúvidas a respeito dos cerimoniários, suas vestes e funções. Aqui pode esclarecer um pouco.
    Obrigado.

    ResponderExcluir